Cover Image

No início deste ano, um cliente estava interessado em saber mais sobre as preferências de consumo dos Millennials e como elas mudaram nos últimos cinco anos.

Embora muito tenha sido escrito sobre como esses consumidores preferem comprar, e quais indústrias estão em alta (cadeias de restaurantes informais, diamantes, cereais, para citar apenas alguns), não havia muita informação disponível para descobrir suas preferências.

Poderíamos adivinhar, é claro, que mídias baseadas em texto, como aplicativos de chat e SMS, seriam seus canais preferidos, enquanto que falar ao telefone seria muito menos popular. Como um Millennial de fronteira, eu sei que prefiro passar 30 minutos em um bate-papo on-line com um agente de atendimento ao cliente do que 30 segundos no telefone.

Mas a pesquisa apóia isso? E quanto mudou nos últimos 5 anos? Para descobrir, realizamos uma pesquisa informal por meio do Google Survey com 250 millennials dos EUA (com idade entre 18 e 34 anos). 
Isto é o que aprendemos:

Telefone e e-mail ainda reinam absolutos

Entre os entrevistados, telefone e Email são os canais preferidos dos Millennials pesquisados, tanto agora quanto há cinco anos. Como você pode ver, os resultados sugerem que telefone e email são equivalentes.

Embora a preferência por telefone tenha diminuído significativamente a partir de 5 anos atrás (24%), ainda era o canal de escolha ao entrar em contato com o atendimento ao cliente. E-mail permaneceu popular também - mantendo-se estável como o canal mais popular para cerca de um terço dos entrevistados agora e há cinco anos. O mesmo vale para os jovens do milênio (18-24 anos) e mais velhos (25-24).

Texto / SMS para atendimento ao cliente não tão popular

Talvez a maior surpresa dos resultados da pesquisa tenha sido que o texto / SMS não era um método preferido entre os Millennials entrevistados para lidar com consultas de atendimento ao cliente. Na verdade, diminuiu ligeiramente nos últimos 5 anos. Talvez isso seja simplesmente uma questão de conscientização? Os consumidores não percebem que podem enviar mensagens de texto para o atendimento ao cliente com suas marcas favoritas (ou não tão favoritas). Ou talvez eles tenham tentado fazer isso no passado e o número 0800 da marca não tenha sido habilitado para texto? (Um fato que acho difícil de acreditar quando se estima que mais de 560 bilhões de textos são enviados todo mês, em todo o mundo.) 

atendimento-sac-millenials


Mídias Sociais, Bate-papo e Autoatendimento ganhando tração

Como era de se esperar, canais baseados na web, como mídias sociais, bate-papo e autoatendimento, tornaram-se cada vez mais populares para os Millennials contatarem as marcas para atendimento ao cliente. Bate-papo, em particular, passou do canal menos preferido para o terceiro canal mais preferido atrás de telefone e email. Parte disso pode simplesmente ser impulsionada pelo crescimento explosivo dos smartphones, permitindo acesso em qualquer lugar e a qualquer momento, mesmo no momento e no momento da venda a varejo. Ou talvez seja porque eles simplesmente não gostam de fazer ligações telefônicas.


O ponto de partida

Independentemente do canal, os Millennials esperam uma resolução rápida, conveniente e perfeita de suas consultas de atendimento ao cliente. Saiba como uma abordagem omni-channel para o engajamento do consumidor pode ajudar, independentemente das preferências de canal dos seus consumidores.

Fonte: Avaya

[ Conheça as soluções de atendimento omni-channel da Central24Horas ]


Cover Image

O mundo está mudando, e muitas coisas que não faziam parte da TI no passado estão se tornando inteligentes e se conectando à Internet - e à rede.

Eles agora se tornaram parte da TI. Mas é claro, não é apenas sobre IoT, IIoT ou cidades inteligentes. A TI está em um contínuo processo de evolução. Tópicos como Nuvem, Software Defined Whatever ou CX (Customer eXperience) já foram discutidos nos últimos anos e definitivamente serão abordados de novo - apenas com foco e perspectiva atualizados.

Então, aqui vem nossa lista dos principais tópicos de TI para 2018:


Internet of Things

Talvez você não suporte mais ouvir isso, ou não goste desse acrônimo “tudo em uma caixa” porque reúne tantos tópicos completamente diferentes, como o consumidor IoT, wearables ou casas inteligentes com IIoT, a versão industrial de fazer coisas (neste caso, ambientes de produção) inteligentes e conectá-las à TI, ou com cidades inteligentes - reunindo dados de todos os aspectos da vida moderna, permitindo que as cidades organizem e planifiquem processos e recursos de uma forma muito mais eficiente do que a atual. Novas tecnologias como LPWAN ou LoRaRAN permitem uma abordagem completamente nova para coletar dados, conectar coisas e ativar a comunicação.


Nuvem

Novamente a Nuvem será um dos tópicos mais importantes, como tem sido nos últimos anos. Mais e mais aplicações e serviços estão migrando para a Nuvem - privada ou pública. A Nuvem irá crescer, em aspectos tecnológicos e em tamanho. O IoT será um dos fatores que irá acelerar o crescimento da Nuvem. Por outro lado, o aspecto de segurança dos serviços de nuvem continuará sendo o foco e pedirá soluções.

 

RESTful API

Cada vez mais dispositivos e coisas oferecem API RESTful e conversam com JSON. SNMP, WMI e outros protocolos estão perdendo relevância. Como consequência, profissionais de TI têm agora mais liberdade ao obter dados em seus ambientes. Isso não consiste apenas em dispositivos de TI clássicos: se trata de gerenciar cidades inteligentes, integrando a internet industrial das coisas na TI ou assumindo a responsabilidade por edifícios inteligentes, a TI será o núcleo do centro de dados, pois é o único departamento capaz de lidar com todos os diferentes requisitos - e todos os dados. E as APIs RESTful são um requisito básico para integrar todas essas coisas na TI.


Segurança

Desde os primórdios da internet, a segurança sempre foi um tema central. As ameaças hoje em dia são cada vez mais complexas. O Zero Trust se tornará mais e mais importante: um firewall e um scanner de vírus não são suficientes para manter seus dados seguros. Controle de tráfego aprimorado, melhor gerenciamento do acesso de usuários, mais métodos de autenticação e, o mais importante de todos, a revisão constante de todos os métodos de segurança são fundamentais.

Mas o tema segurança mudou para um nível completamente novo em relação ao IoT. Todos esses dispositivos que estão conectados à TI criam novos riscos de segurança que devem ser levados em conta. Este é um dos grandes desafios para os próximos anos.


SDI

Software Defined Networks, Software Defined Storage, Software Defined Data Center - todos os componentes da infraestrutura de TI foram virtualizados definindo uma camada de software entre o hardware e o aplicativo que centraliza o gerenciamento e facilita a automação da TI. Agora, esses componentes estão reunidos como infraestrutura definida por software - SDI.


Customer Experience

Com todos os dados gerados pela internet, o comportamento do cliente tornou-se mais rastreável, mais transparente. Isso cria novas oportunidades para melhorar a experiência do cliente, mas também significa novos desafios na gestão de todos esses dados - este Big Data. O princípio de ponta a ponta desempenhará um papel importante quando se trata de melhorar a experiência do cliente; e APIs RESTful, JSON, segurança - tudo está interligado, e resume-se ao IoT.

 

Realidade Aumentada

A realidade virtual está a caminho de se tornar um grande negócio, embora ainda tenha um forte foco no consumidor. O mundo real torna-se aumentado com informações adicionais sob a forma de imagens, som ou haptics. Técnicos ou trabalhadores da construção civil podem receber informações, detalhes e manuais enquanto trabalham no local; cirurgiões podem visualizar informações importantes durante uma cirurgia; os pilotos podem ver todos os detalhes sobre sua máquina e vôo enquanto pilotam seu avião. Existem milhões de exemplos, e agora as tecnologias irão trazer a realidade aumentada para a vida real.

 

Artigo originalmente publicado no Paessler Blog.


Cover Image

Tudo parece ser inteligente hoje em dia: telefones inteligentes, casas inteligentes, relógios inteligentes e cidades inteligentes. Parece que os humanos estão inventando cada vez mais "coisas" para pensar por nós. Mas isso significa que os humanos se tornarão mais ignorantes? Seja qual for sua posição sobre isso, é indiscutível que o avanço tecnológico por trás de tudo isso é impressionante.


O que faz uma cidade ser inteligente?

Segundo a Wikipedia, uma cidade é inteligente ao se integrar tecnologias de informação e comunicação (TIC) e Internet of Things (IoT), de forma segura para gerenciar seus recursos.


Exemplos de coisas monitoradas em cidades inteligentes:

Gestão de resíduos - monitorando o nível lotação das lixeiras públicas em toda a cidade, de modo que elas só serão esvaziadas quando cheias (economizando custos e reduzindo o congestionamento).

Sensores de estacionamento - esses mostram a disponibilidade de vagas para carros na cidade. Existem aplicativos que utilizam esses dados, tornando mais fácil para os motoristas que procuram estacionar. Não só os poupa tempo, mas também economiza combustível, reduz emissões de gases poluentes e congestionamentos.
Segurança - sensores de som integrados podem detectar tiros e automaticamente notificar as autoridades, reduzindo a necessidade de envolvimento de cidadãos, enquanto faz a cidade sentir-se mais segura.

Ativos de segurança pública (câmeras de condomínios, shoppings, polícia), atendimento de ambulâncias, trânsito, semáforos, pedágios, as possibilidades são infinitas e a tecnologia avança minuto-por-minuto.

 

Quem constrói cidades inteligentes e por quê?

São líderes das cidades que reconhecem o potencial do uso de tecnologia para tornar suas cidades mais seguras, convenientes e mais confortáveis para seus moradores. Em alguns casos, também pode ser por prestígio e estabelecimento de um diferencial.

Seja qual for a agenda, está mudando a vida dos habitantes e colocando mais pressão sobre as estruturas de TI que suportam toda a interconectividade das “Coisas”. Há um tráfego crescente de dados sendo transferidos, o que impacta a carga e a banda larga.


Como fazer uma Cidade Inteligente? Monitorando serviços e ativos.

A maioria dos projetos de cidades inteligentes começam com projetos de infraestrutura, como câmeras de segurança e data centers, que exigem um monitoramento. Ao implantarmos o PIP, monitoramos essas infraestruturas através de painéis personalizados para gerenciar o volume de dados recebidos.

É evidente que, a medida que as cidades ficam mais inteligentes, a TI também deve evoluir. Cidades inteligentes têm sensores monitorando coisas como vagas de estacionamento, capacidade de lixeiras e câmeras de segurança, mas quem está monitorando os monitores?

As cidades inteligentes precisam estar equipadas para gerenciar a carga de dados e a conectividade dos ativos de TI na rede se quiserem manter a conveniência e a segurança que prometem aos seus residentes. É preciso um humano para reconhecer isso e agir; um inteligente.

O PIP da Central24Horas coleta todos os dados importantes para os gestores das cidades e os exibe de forma fácil, sinalizando eventuais problemas que precisam ser corrigidos, tudo em tempo real, melhorando a vida das cidades.


atendimento 24 horas